GoFusion

Impacto das interações e comunicações com motoristas nos processos logísticos

Artigo

17 Sep 2019   |   por Guilherme Barros

Estamos vivendo a recuperação da maior crise da história do Brasil, e o papel das indústrias e do agronegócio nesse cenário é fundamental. Só em 2018, a indústria brasileira processou 12,17 milhôes de toneladas de trigo. Toda essa quantidade de matéria-prima é transportada até as indústrias em sua grande maioria através do transporte rodoviário, ou seja, por caminhões. Já sabemos que os caminhões movimentam o país, pois são cerca de 2 milhões de caminhões de carga circulando nas estradas brasileiras atualmente.


É sobre isso que vou falar aqui. Não sobre caminhões, mas sim sobre as pessoas que estão por trás deles, os motoristas. E como a comunicação e a interação destes profissionais com a indústria são fundamentais para os resultados dessas unidades, que tem o seu importante papel na escalada para a saída da crise que o país vive hoje.


Importância das Interações com os Caminhoneiros

Considerando este cenário, vamos abordar como são as iterações dos motoristas com as empresas e indústrias. Todo motorista está lá para carregar ou descarregar o mais rápido possível, seja ele um autônomo ou contratado por uma transportadora. Ficar parado não interessa a ninguém, nem aos motoristas e nem as empresas. Com essa situação de urgência criam-se várias expectativas e problemas que precisam ser resolvidos.

Os transportadores buscam informações. "Qual é minha posição na fila? Necessito algum EPI para entrar? O processo de carregamento está mais lento hoje? Quanto tempo vai demorar para eu ser chamado? A nota fiscal já está pronta?". Entre outros questionamentos.

Toda essa movimentação e dúvidas geram ansiedade, e com frequência certo tumulto é inevitável. Situações como estas precisam ser gerenciadas pela equipe responsável pelo pátio e pelas portarias, consumindo tempo da equipe, que precisa fazer um trabalho que muitas vezes não é o que gera valor para a empresa, apenas para manter as pessoas e o pátio minimamente organizados.

Outras dificuldades que podemos citar é que pela falta de transparência do processo, alguns motoristas podem se equivocar, atravessando o caminhão na frente de outros transportadores prejudicando o fluxo dentro dos pátios e acessos a balanças. Ou mesmo a chamada pode não ser recebida pelo motorista, causando atrasos e mais frustrações, tanto de motoristas quanto de colaboradores.

E ainda não falamos da dificuldade que existe por parte da empresa de garantir que os motoristas recebam todas as informações que precisam para circular dentro da unidade, como informações de segurança e orientações em relação a normas, regras ou quanto ao processo de carregamento e descarregamento.


Qual a melhor maneira de interagir com o motorista?

As empresas resolvem essas situações das mais variadas formas. A mais comum que vemos em quase todos os pátios é o sistema de som. É uma solução prática, por que todos recebem as informações ao mesmo tempo, porém seu uso traz alguns contratempos: nem todos estão atentos as informações emitidas, seja por conta de um tempo chuvoso ou simplesmente por ser noite e o caminhão estar com as janelas fechadas. Além disso, o sistema de som está sujeito a uma série de outros problemas, como custo elevado e dificuldade de manutenção. Detalhamos essas questões em um outro artigo.

Quando o motorista não responde ao sistema de som é necessário um colaborador "caçar" esse motorista no pátio, ligando para seu celular ou indo procurá-lo pessoalmente. Causando um gasto de energia enorme, gerando atrasos e por consequência custos desnecessários.

A falta de transparência do processo e da comunicação geram pouca cooperação por parte dos motoristas. Caso ele tenha que ser chamado a noite por um sistema de som ele não pode dormir. Precisa estar atento, assim como todos os demais transportadores em fila. E quando chove a comunicação se torna ainda mais difícil, pois pode ser quase impossível entender o que se diz nos falantes.

Uma maneira um pouco mais eficaz de chamar os transportadores é com um sistema de radio frequência. Onde o motorista recebe um equipamento que emite um aviso sonoro quando ele está autorizado a iniciar o processo. Isso ameniza alguns problemas. Entretanto, não traz muita transparência para o processo e ainda agrega um custo expressivo de compra de equipamentos, locação, manutenção e gestão deste ativos. Se o tempo de espera for longo, até a duração da bateria destes equipamentos pode ser um problema.

Buscado eliminar os custos com equipamentos, seja de som ou de radio frequência, fica evidente uma opção: usar o telefone celular do motorista como essa ponte de comunicação, buscando duas alternativas com os menores custos do mercado.


Usar o equipamento do próprio motorista

Pessoas segurando smartphones, close nas mãos e nos aparelhos.

Hoje qualquer pessoa tem um aparelho de celular na mão. É uma ferramenta indispensável ao trabalho e seguindo esta inércia, a comunicação por meio SMS é uma ótima alternativa. Cada mensagem pode conter qualquer tipo de informação relevante ao transportador e para indústria o único custo agregado é o envio das mensagens, já que o dispositivo é do próprio motorista. Se estes envios forem feitos de forma manual, o processo não terá tanto valor agregado a ele. Entretanto, se o envio for realizado através de uma plataforma ou sistema, uma melhoria com certeza será observada no pátio desta indústria.

O WhatsApp surge aqui como uma derivação dessa alternativa para uma interação mais informal. O que pode não ser a melhor alternativa neste caso.


A Melhor Alternativa

No nosso ponto de vista a melhor alternativa é uso de um aplicativo, integrado a um sistema de controle do processo logístico. Neste aplicativo são visualizadas informações do processo em tempo real, posição em fila, quantos caminhões estão na frente e tempo médio de espera. Além disso, é possível automatizar comunicações formais que ficam registradas em uma plataforma, como orientações de segurança ou indicações de local de carregamento, autorizações de entrada, emissões de documentos, bem como quando a nota fiscal foi emitida. Tudo em tempo real. E ao final do processo, naqueles casos onde houver a necessidade, o motorista pode ainda informar quando a carga foi entregue ao destinatário ou cliente.


Toda essa transparência e facilidade gera um retorno muito grande para ambos os lados, os motoristas ficam mais cooperativos, as indústrias ganham em segurança, qualidade e eficiência.


Estes recursos de aplicativo são acessíveis para indústrias, unidades do agronegócio, terminais ou qualquer tipo de atividade que envolva pátios, filas, sazonalidades, agendamentos e caminhões.


Nossa empresa é especializada em fornecer esse tipo de solução. Se você quer ter resultados melhores para a sua empresa fale com a gente.


Linkedin
Facebook